Duas séries legais (e uma para passar longe) do Netflix

23 nov

Eu podia começar esse post pedindo desculpas, as usual. Mas, eu entreguei meu TCC e sou um elfo livre (até a banca oficial de aprovação), eu não preciso de desculpas, eu tenho um diploma (que não serve para muita coisa, mas é um diploma, non?). 

giz-olimpiadas

Dito isso, eu tive poucos dias para realmente descansar e ler. O feriado foi gasto todo nos toques finais do relatório e agora estou com a cabeça tão cansada que nem vontade de ler sinto. Eu aguento fadiga e cansaço físico, mas não aguento cansaço mental. Não consigo ler nadica de nada e até para fazer a lição de casa do francês estou enrolando. 

E é em momentos como esse que eu recorro ao nosso querido e amado Netflix! Como disse antes, o cansaço mental me impede de realizar raciocínios simples como “2+2=4” e os documentários que costumo ver estavam fora de questão (até porque, produzimos um documentário de tcc e eu estou meio que enjoada da palavra “documentário”). Por isso, recorri a aquelas séries curtinhas, de 20 minutos e 12 episódios para poder relaxar.

Chewing Gum

chewing-gum

Tracey é uma menina que trabalha como caixa de uma loja de conveniência e mora num conjunto habitacional chamado Hamlet Towers. Ela tem um namorado de cinco anos chamado Ronald – que ela nunca nem sequer beijou – e uma mãe e uma irmã que são ultrareligiosas e que acham que tudo é pecado. 

Tudo o que Tracey quer é perder sua virgindade e vai conseguir isso com a ajuda de sua amiga Candice, da avó e do namorado dela e de seus vizinhos de Hamlet Tower. Será que Tracey consegue realizar seu sonho ou vai sempre viver carregada de culpa?

chewing-gum-serie-netflix-comedia-tracey-beyonce-2

Cinthia, sua irmã, e Joy, sua mãe, não gostam nada quando um garoto, morador do prédio que se considera um “poeta”, passa a se aproximar de Tracey.

Chewing Gum só tem 6 episódios e isso foi mais do que o suficiente para que eu ficasse encantada com a Tracey e com sua obsessão pela Beyonce! Já quero ser amiga dela na vida real! Eu super estou doida para ver a segunda temporada!

Os episódios são engraçados e a sensação é que Hamlet Towers poderia ser facilmente meu prédio ou até a rua onde cresci. Os personagens são diversificados e bem construídos e é impossível não morrer de rir quando você vê as situações em que Tracey se enfia.
Em alguns momentos, as imagens são um pouco explícitas e eu acho que, se forçassem mais um pouquinho, o seriado poderia cair facilmente na vulgaridade total. Não é o tipo de programa que dá para assistir em família ou com sua mãe por perto, etc. 

beyonce

Michaela Coel, a atriz que interpreta Tracey, cresceu em um conjunto habitacional chamado Hamlet Towers e também tinha uma mãe e uma irmã ultrareligiosas. Ela se formou em Inglês, em uma Universidade e escreveu a peça de teatro “Chewing Gum Dreams”, que deu origem à série original do Netflix. Acho que dá para dizer que a série foi, em partes, baseada na vida de Michaela, já que ela também assina o roteiro. Não é massa?

Au Service de la France

regardez-en-avant-premiere-la-serie-au-service-de-la-france-ecrite-par-un-ex-auteur-des-guignolsm266847

Meu último post do blog foi uma dica para aqueles que estavam estudando francês e “Au Service de la France” também é uma! A série foi produzida em 2015 pelo canal francês Arte!, os episódios têm, no máximo, 25 minutinhos, e eles falam devagarzinho. É ótimo para quem quer afiar o ouvido.

“Au Service de la France” é uma série ambientada em Paris, nos anos 60. Ela segue a história do jovem André Merlaux, très beau (gato mesmo, no bom e velho português) e inteligente. Merlaux é selecionado para trabalhar no serviço secreto francês, mas antes de se tornar oficialmente um espião, ele deve passar por uma série de treinamentos e missões de reconhecimento.

hugo-becker

Com a ajuda dos agentes e típicos funcionários públicos Moïse, Jacquard, Calot e Moulinier, ele vai participar de uma série de mini missões e desafios, até se tornar um oficial do serviço francês.

Merlaux ainda vai passar por problemas amorosos com a jovem Sophie, problemas tensos com o chefão de todos, Le Colonel, e até problemas peculiares com a agente independente e forte Clayborne.

A princípio, não levei muito a sério “Au Service de la France” porque achei que tinha piadas canastronas, bem ao estilo de Zorra Total, em excesso. Com o tempo, fui entendendo que eles tinham uma pegada de humor mais britânico e a série foi evoluindo de uma forma que me deixou envolvida e me fez entender algumas das escolhas dos escritores.

O passado de Merlaux e dos outros personagens é revelado aos poucos e você passa a levar a sério o seriado. O último episódio é cheio de tensão (até porque você já está extra envolvida na narrativa, etc) e termina com uma reviravolta de deixar você chocado e recarregando o Netflix para ver se tem uma nova temporada disponível. 

hugoooo

Pelo que eu entendi dos sites que li em francês (pardon les erreurs), uma segunda temporada está prevista para 2017. Eu, honestamente, duvido que consiga ficar tanto tempo longe do rostinho bonitinho de Hugo Becker, que faz o André Merlaux (en vraie, ele nem é tão bonito, mas conforme a série foi passando, tinha horas que eu achava ele lindo, horas que não, horas que lindo, horas não e aí eu acabei apaixonada por ele. É um caso a ser analisado com atenção pela Galãs Feios). 

Passe longe de Haters Back Off

haters-back-off-promo

Eu juro, juro, juro que tento não ter birra com Youtubers, no geral, mas não tá dando. Tem um ou dois que eu até gosto, mas mais do que isso eu já torço o nariz. Eu nem sabia que Haters Back Off era um trabalho saído do Youtube, mas fui pesquisar o porquê do flop e essa foi uma das razões apontadas.

Em “Haters Back Off” acompanhamos a jornada de Miranda, uma garota em idade escolar que não tem talento algum, mas que quer ser famosa a todo e qualquer custo. Com o apoio de seu Tio Jim, Miranda coloca no Youtube um vídeo em que ela canta “Defying Gravity” – uma música que eu já não curto, ainda mais cantada fora de tom – e acaba torcendo para que o vídeo viralize. O “sucesso” chega quando um garoto que gosta dela passa a atualizar os vídeos várias vezes, para conseguir mais e mais visualizações. Isso sobe a cabeça de Miranda, que passa a acreditar que todas as críticas a ela são de “haters”.

Tinha potencial. Juro que tinha. Mas não consegui passar do quarto episódio. 

haaaaaters

Miranda acaba parecendo uma personagem extremamente egoísta e mimada, não tem nada nela que faça com que você simpatize e torça por seu sucesso. A garota está em idade escolar, mas a atriz que a interpreta, Colleen Ballinger, parece mais velha até do que a mãe da personagem, mesmo com as tentativas de usar roupas infantis. Além disso, ela tem uma voz tão nasalada que chega a ser desagradável de ouvir. O ator que interpreta o Tio Jim é muito forçado e faz tudo com exagero, talvez ele seria uma boa adição ao elenco da Escolinha do Professor Raimundo. Por fim, a mãe de Miranda inventa doenças fictícias e é capaz de desistir de tudo, só para manter Miranda feliz. O único mérito do seriado é a personagem Emily, irmã de Miranda, que é a única personagem normal da família. Talvez, se o seriado tivesse ela como destaque, ele não fosse tão ruim.

Li que o seriado foi uma criação de Collen Ballinger e que Miranda é uma personagem criada por ela para o Youtube. Não cheguei a ver os vídeos dela no canal, mas li reviews que diziam que “A Miranda é tolerável por 5 minutos, no Youtube mesmo, mais do que isso ela passa a ser irritante” e comentários como “esse seriado é horrível, vou até parar de seguir o canal dela do youtube”. As reviews positivas indicam que, lá para o final da temporada há uma mudança positiva e que, quem não gostou do seriado, não entendeu nada do personagem. Olha, honestamente, eu não vou ver mais e acho que nem quero entender esse personagem. 

haters

Parece que essa foi uma mudança de plataforma que não funcionou direito. Se é para apontar um mérito é que dá super para perceber que a Collen Ballinger tem um baita treinamento vocal e que, mesmo desafinando, dá para ver que ela só faz isso pelo personagem. 

Não recomendo Haters Back Off, mas Chewing Gum e Au Service de la France são meus dois novos amorzinhos. Estamos aí para conversar com qualquer um que esteja obcecado pela barba de Hugo Becker ou pela admiração de Tracey por Jay-Z e Beyonce.

Beeijos, A Garota do Casaco Roxo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: