A Livraria dos Finais Felizes – Katarina Bivald

a livraria dos finais felizes katarina bivald capa livro

Nome: A Livraria dos Finais Felizes

Autora: Katarina Bivald

Editora: Suma de Letras

Páginas: 334

Fui atraída por “A Livraria dos Finais Felizes” por dois motivos. Primeiro, as muitas resenhas elogiosas sobre ele que circulam pela internet. E segundo porque a autora dele, Katarina Bivald, é da Suécia e eu nunca, nunca havia lido um livro de um escritor desse país.

O livro conta a história de Sara, uma sueca de 28 anos que nunca saiu de seu próprio país. Por meio de correspondências, ela acaba fazendo amizade com Amy, uma senhora de idade que mora em Broken Wheel, Iowa. As duas trocam livros e histórias de vida e Amy convence Sara a atravessar o oceano e a visitá-la em sua pequena cidade.

Mas, como nada é fácil, ao chegar em Broken Wheel Sara descobre que Amy faleceu.

Convencida a ficar pelos moradores peculiares da cidade, Sara acaba morando na casa de sua amiga e começa a ver na vida real as muitas histórias que Amy a contou nas correspondências.

Vendo os problemas de uma cidade pequena e a forma como cada morador vive sua vida, Sara decide apresentá-los aos livros que tanto ajudaram ela e Amy durante suas vidas. É bonito ver como a autora descreve os leitores e como ela fala sobre essa relação tão peculiar que os amantes de livros têm com essas histórias.

“Já no ensino médio havia percebido que poucas pessoas prestavam atenção a quem estava escondido atrás de um livro. De vez em quando, tinha que olhar para desviar de uma régua ou de um livro que havia sido lançado na direção dela, mas isso não era frequente e Sara não costumava perder o ponto em que estava na leitura. Enquanto seus colegas provocavam e eram provocados, entalhavam símbolos sem sentido nas carteiras ou faziam marcas nos armários dos outros, ela vivenciava paixões incontroláveis, mortes, alegrias, terras estrangeiras e dias passados. Outros podiam acreditar que estavam presos em uma velha escola de ensino médio, mas ela havia sido uma gueixa no Japão, andado ao lado da última imperatriz chinesa pelos cômodos fechados e claustrofóbicos da Cidade Proibida, crescido com Anne e os outros habitantes de Green Gables, presenciado vários assassinatos, amado e perdido amores milhares de vezes. “

p. 21.

Tem tantos livros que me marcaram e me ensinaram tanta coisa e ver que existe um livro que reconhece essa ligação importante é bem interessante e gostoso de se ler. Eu acho que o livro agradou tanto por causa das cenas de Sara descrevendo como é cheirar um livro ou de como ela se envolve com uma história.  Há ainda muitas e muitas referências a outros livros, clássicos ou não, e a escritores de todas as épocas e gerações. Não tem como não se sentir representado, sabe?

Ao mesmo tempo em que aproveitei a leitura,  gostaria de ter curtido mais. Além da questão dos livros, eu não consegui me relacionar com os personagens, não senti aquela identificação, aquela sensação de “Ai meu Deus, preciso saber o que vai acontecer!”.

Na verdade, da metade em diante, eu estava completamente entediada durante a leitura. Passava as páginas por passar e o livro me pareceu um pouco petulante em certos momento (no sentido de “eu sou melhor do que você porque leio”, sabe? Isso não é muito legal…).

A premissa, tão interessante no começo, se perdeu um pouco do meio para o final do livro. Depois que terminei a leitura, eu fiquei imaginando desenvolvimentos diferentes para a ideia inicial da autora, talvez tentando tornar o livro mais atraente do que o que li.

Lembro de pensar “E se o fantasma da Amy aparecesse para Sara e só a deixasse em paz quando ela resolvesse algum problema da Amy do passado?” ou, então, “E se a Amy tivesse sido assassinada e a Sara tivesse que unir forças com os moradores da cidade para descobrir quem é o assassino?”. Talvez eu tenha viajado um pouco na maionese, mas, para mim essa leitura tinha tanto potencial desperdiçado, que eu fiquei um pouco decepcionada.

A grande realidade é que a Sara não é um personagem muito interessante ou curioso. Além de seu interesse absurdo por livros, ela não tem quase nada de especial e isso é meio tedioso, ainda que a gente consiga se identificar com ela. Os outros personagens secundários, como George e Andy, tinham uma história de fundo mais interessante e, por vezes, eu quis mais acompanhar a história deles do que a de Sara.

O romance que temos no livro é bem insosso e forçado. Por mais que não seja aquela coisa de “insta-love”, ele não convence.

Eu gostei de “A Livraria dos Finais Felizes”, mas tenho a impressão de que é um livro um pouco esquecível.

A grande verdade é que eu criei uma grande expectativa em relação a essa leitura, depois de ler várias resenhas positivas, e acabei me decepcionando. Mais alguém já passou por isso? Com qual livro?

Beijoos, A Garota do Casaco Roxo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s