5 documentários para conhecer melhor a Inglaterra

how to take betterfamily vacationpictures (1)

Ônibus de dois andares, cabines de telefones vermelhas, a Torre de Londres, táxis pretos e a realeza… São muitas coisas que evocam o imaginário das pessoas quando o assunto é Inglaterra.

Muita gente sonha em conhecer o país e em visitar alguns de seus monumentos turísticos. Confesso: entre Londres e Paris, minha predileção vai para os franceses. Mas, recentemente, me surpreendi com a quantidade de documentários disponíveis na Netflix sobre a Inglaterra.

Como eu não recuso um bom doc, acabei embarcando na viagem e descobrindo muitas coisas sobre o país da Rainha Elizabeth.  

Por isso, elaborei a lista dos melhores documentários que vi sobre a Inglaterra. Vamos conferir?

  • “She-Wolves: England’s Early Queens”

she-wolves england's early queens

Recentemente, eu reclamei aqui no blog sobre o quão pouco a gente aprende sobre história da América Latina, durante a escola. “She-Wolves: England’s Early Queens” me mostrou que até mesmo aquilo que a gente aprende sobre a história de outros países não é lá tão aprofundado.

Eu, por exemplo, sempre acreditei que Elizabeth I sucedeu Edward VI de imediato. Os dois são filhos do Henrique VIII, aquele do anglicismo e que costumava matar as esposas (a mãe da Elizabeth, Ana Bolena, inclusive). O que eu não sabia eram as diversas disputas de poder que aconteceram antes de Elizabeth I assumir o trono.

Em “She-Wolves: England’s Early Queens”, nós seguimos a trajetória de 7 diferentes rainhas inglesas, que assumiram o poder em momentos diferentes da história da Inglaterra. Por meio de guerras, disputas internas e conspirações, as rainhas abriram caminho para que a monarca Elizabeth II pudesse reinar por mais de 60 anos.

dr helen castor presenting she wolves englands early queens

O programa é dividido em 3 episódios e é apresentado por Helen Castor, uma historiadora que costuma biografar diversas rainhas, inclusive Joanna D’Arc.

O ritmo do documentário é um pouco lento e muitas informações são passadas ao mesmo tempo. Confesso que me perdi em alguns episódios e tive que voltar para trás para entender o que estava acontecendo.

Mesmo assim, o documentário tem grande apelo e charme e qualquer pessoa que goste da realeza vai amar entender melhor como as linhas de sucessão funcionavam no passado.

  • Secrets of Westminster

Secrets of westminster cover photo

Esse é o tipo de documentário que qualquer pessoa com vontade de conhecer Londres ia amar!

Ele faz uma viagem super detalhada por dentro do Parlamento Britânico, da Abadia de Westminster e do Big Ben. Além disso, o documentário aborda tradições e explica o porquê da rainha não poder entrar NUNCA na “House of Commons”, o equivalente à nossa Câmara dos Deputados.

Eu, por exemplo, sempre vi imagens aéreas de Londres e não sabia que a Abadia onde Kate Middleton se casou ficava exatamente atrás do prédio do Parlamento Britânico.

Bem editado e rico em imagens, a impressão que dá é que você está passeando pelas ruas de Westminster mesmo.

  • Os Segredos de Scotland Yard e Secrets of her Majesty’s Secret Service

secrets of scotland yard

Reuni os dois documentários em um só porque ambos falam sobre segurança pública na Inglaterra. O primeiro aborda um pouco da história da Scotland Yard, desde seu surgimento até os dias atuais.

O pessoal que ama investigação criminal vai adorar esse documentário, porque ele retoma algumas investigações que foram importantes para a polícia como a de Jack, o Estripador. Além disso, eles falam um pouquinho sobre perícia criminal e sobre como o trabalho deles se desenvolveu.

secrets of her majesty's secret service

O segundo, “Secrets of her Majesty’s Secret Service”, fala sobre o MI6 e os serviços de espionagem da Inglaterra. Vi ele em uma semana que eu estava bem obcecada com James Bond e foi bem legal ver que há todo um pano de realidade por trás da história do espião.

O documentário não é lá muito esclarecedor porque, bem, ele fala sobre uma coisa que deveria ser secreta, né? Mas eles retomam a história do surgimento da agência, como uma divisão da Marinha Britânica, além de falarem um pouco, mas bem pouco, sobre como eles trabalham.

  • Secrets of Underground London

secrets of underground london

“Secrets of Underground London” segue a mesma linha de “Secrets of Westminster”, mas mostra um lado de Londres que não dá para ver por imagens aéreas: o subterrâneo.

O documentário aborda um pouco da história dos 154 anos de existência do metrô de Londres, desde o espanto com seu surgimento até os dias atuais, mas não fica só nisso.

placa do metrô de londres

Ele mostra um pouco do cotidiano dos londrinos, durante a Segunda Guerra Mundial, que envolvia se esconder em estações de metrô abandonadas e em bunkers subterrâneos, que seguem completamente preservados. Um desses abrigos pertencia a Winston Churchill e é bem legal ver como eles costumavam “se esconder” naquela época.

Uma escavação arqueológica que está recuperando os vestígios deixados pelos invasores romanos também é visitada pelos documentaristas e é bem interessante ver o passado de Londres abordado bem “profundamente”. Ba dam tss!

  • Secrets of Althorp – The Spencers

secrets of althorp the spencer

Esse foi um dos documentários que eu mais amei! Althorp é a residência oficial da família Spencer, do tipo, Lady Diana Spencer.

Ao contrário do que muitos pensam – eu, inclusive – Lady Di não era uma plebéia como Kate Middleton, mas sim descendente de uma família de aristocratas britânicos muito, muito ricos. A família tinha dinheiro a ponto de ter uma casa enorme, à la Pemberley,  como em Orgulho e Preconceito.

Na verdade, a linhagem real dos Spencer vem da Casa dos Stuart e é mais antiga do que a Casa de Windsor, de quem a família da Rainha Elizabeth descende. Há boatos de que os Spencer são mais da realeza do que a própria rainha. Cara, isso é tão Game of Thrones.

O documentário é quase que inteiro baseado em entrevistas de Charles Edward Spencer, 9° Conde de Spencer e irmão de Diana.

Charles Spencer 9° conde
Charles Spencer, durante a filmagem do documentário

Não só ele mostra a residência em que ele e Lady Di cresceram, mas também retoma um pouco da história e da memória da família, sem deixar de mencionar a irmã. Há um memorial na propriedade de Althorp, dedicado totalmente à Diana e a gente pode passear um pouco por ele, pelas das imagens do documentário.

É bem legal de ver e me fez ficar com vontade de ler a biografia de Lady Di e saber mais sobre ela, no ano em que seria o 20° aniversário de sua morte.

Bônus

  • Secrets of Great British Castles

secrets of great british castles

Esse documentário fez tanto sucesso, que não só tem 2 temporadas, mas também tem um spin-off, o “Secrets of Great Irish Castles”  que foca nos castelos da Irlanda.

Os programas são apresentados pelo historiador Dan Jones e cada episódio se desenrola em torno de castelos que tiveram papel importante na história do Reino Unido. Dover, a Torre de Londres, Caernarfon e Carrickfergus são alguns dos endereços visitados durante a série de documentários.

o apresentador de Secrets of Great British Castles na Torre de Londres
o apresentador de Secrets of Great British Castles na Torre de Londres

Editado por meio de reencenações de acontecimentos históricos, entrevistas com especialistas e tours dentro dos próprios castelos, o documentário é bem legal.

Apesar de bem informativo, ele não é tão cansativo quanto o “She-Wolves” e tem vários momentos de descontração. É bem interessante conhecer a história de castelos que foram erguidos em 1300 e são bem mais velhos do que meu próprio país.

Dan Jones no castelo de Cardiff
Dan Jones no castelo de Cardiff

Espero que minha lista te ajude a conhecer um pouco melhor a Inglaterra, seus pontos turísticos e a sua história. Agora é só abrir a Netflix e viajar sem sair do sofá!

Beeijos, A Garota do Casaco Roxo

Por que você deveria ver o seriado The Keepers

Pôster de divulgação do seriado The Keepers

Eu tive um mês de julho bem Católico – pelo menos para os meus padrões.

Fui batizada (como quase toda criança brasileira) na Igreja Católica, mas depois encontrei meu caminho em outra religião. Apesar disso, vou na missa de vez em quando e em julho fui duas vezes à Igreja (e mais uma terceira vez, mas só porque a Festa Julina do meu trabalho voluntário aconteceu no salão de uma Paróquia).

E, em todas essas vezes, não consegui parar de pensar em “The Keepers” e na Irmã Cathy Cesnik. “The Keepers” é um documentário que vai ficar junto de você por anos e anos.

A série, que é original da Netflix, conta a história do assassinato da freira Catherine Cesnik, que aconteceu na cidade Baltimore, em  7 de novembro de 1969.

Quando foi assassinada, a Irmã Cesnik tinha apenas 26 anos e era professora de inglês da Archbishop Keough High School. O desaparecimento e depois a descoberta do corpo da freira, 2 meses depois, chocou toda a cidade e o país. Esse post, do Huffington Post, em inglês, explica um pouco do que aconteceu na noite em que Cathy Cesnik foi assassinada.

foto da freira cathy cesnik
Cathy Cesnik

Poucos dias depois do desaparecimento da freira, uma jovem, Joyce Malecki, também foi encontrada morta. Joyce e Cathy moravam a apenas alguns quarteirões de distância uma da outra.

  • A perseverança de Gemma Hoskins e Abbie Schaud

Abby Schaub e Gemma Hoskins
Abby Schaub e Gemma Hoskins, em uma das cenas do documentário.

Nos primeiros episódios de “The Keepers”, nós somos apresentados a duas ex-alunas de Cathy Cesnik, Gemma Hoskins e Abbie Schaud. As duas ficaram chocadas com a morte da professora e, depois de aposentadas, decidiram dedicar parte de seu tempo a investigar o que aconteceu com a freira.

Gemma é mais extrovertida e gosta de conversar com as pessoas, para conseguir captar as informações necessárias. Já Abbie realiza pesquisas em bibliotecas e hemerotecas e usa o Facebook como uma de suas principais ferramentas de investigação.

Juntas, as duas descobriram mais informações do que aquelas que foram coletadas pela polícia de Baltimore, em 1969. Provavelmente, foi o trabalho de Gemma e Abbie que fez com que polícia reabrisse a investigação sobre a morte de Cathy.

gemma abby e gerry koob analisam a posição em que o carro da freira foi encontrado
The Keepers – Gemma e Abby analisam a posição em que o carro de Cathy foi encontrado no dia de seu desaparecimento

  • A coragem das vítimas de abuso sexual da Archbishop Keough

Fiquei durante todo o primeiro episódio tentando encontrar motivos (jovem, bonita, freira… nada se encaixava) para o assassinato da freira. Sem sucesso. Eu me sentia tão cega quanto a Polícia de Baltimore deve ter se sentido em 1969.

Foi só no segundo episódio que eu pude, enfim, encontrar um motivo plausível.

Em 1995, ex-alunas do Archbishop Keough tomaram coragem e revelaram os sistemáticos abusos sexuais que aconteciam no colégio e que eram perpetrados pelo capelão da escola, o Padre Joseph Maskell, e por um outro membro da diocese.

A história do documentário deixa de ser sobre o assassinato da freira e passa a ser algo maior. 

Os depoimentos mais contundentes são os das alunas Teresa Lancaster e Jean Wehner, cujas histórias me assombram até hoje, semanas depois de ter visto o programa.

jean wehner quando estava no último ano do ensino médio
Jean Wehner aos 17 anos, em seu último ano de Ensino Médio

Boa parte das memórias dessa época, Jean só conseguiu recuperar 30, 40 anos depois da morte de Cathy, de tão traumatizada que ficou.

  • A forma como os episódios foram costurados um ao outro

O formato de “The Keepers” é bem parecido com o de “Making a Murderer”. As peças do quebra-cabeça vão se juntando aos poucos e você começa a entender melhor os vários fatores que causaram a morte de Cathy Cesnik.

machete de jornal "who killed sister cathy?"

É como se um véu fosse retirado e, aquilo que não estava claro no começo, passa a fazer sentido. Intercalando 1969, com os anos 90 e os dias de hoje, a narrativa não é linear.

No final, a gente não temos uma resposta concreta à pergunta “Quem matou Cathy Cesnik e Joyce Malecki?”. Mas a forma como a narrativa é levada deixa uma leve sensação de justiça, tristeza e pena. Ao mesmo tempo sentimos que o dever de Abby e Gemma foi devidamente cumprido.

O seriado é entristecedor e vai permanecer na sua cabeça por muitos, muitos, muitos dias, quiçá para sempre. Mas acho que é isso que o torna algo que merece ser visto.

Em 2019, o assassinato de Cathy Cesnik vai completar 50 anos e, com “The Keepers”, ele segue atual e relevante.

  • O seriado não cai em sensacionalismo barato

Essa é a história da morte de uma freira que não só foi brutalmente assassinada, como também foi violentada. Esa é a história de adolescentes que foram manipuladas por padres católicos e que eram estupradas e abusadas física e psicologicamente com frequência. Essa é uma história de duas mulheres, que nunca desistiram de tentar descobrir a verdade.

Sabe aquele programa que tinha tudo para entrar num sensacionalismo barato, para tentar conseguir audiência?

Felizmente, “The Keepers” foge dessa fórmula.

Eu não consigo lidar muito bem com histórias que abordem estupro e, mesmo assim, consegui ver os depoimentos de Jean Wehner. Apesar de pesados e dolorosos (e de que eu, provavelmente, nunca vou esquecer deles), você vai acabar admirando a coragem dela.

werner spitz médico legista mostrando o crânio de cathy cesnik
The Keepers – Werner Spitz mostrando o crânio de Cathy Cesnik

Em um dos momentos, o médico-legista que analisou o corpo de Cathy, Werner Spitz (que também foi o responsável pelas autópsias de John F. Kennedy e de Martin Luther King), fala sobre o estado em que o cadáver foi encontrado. Ele mostra uma foto do crânio de Cathy e o seriado ganha um tom mais pesado.

Mesmo assim, dá para perceber que há um grande respeito à memória de Cathy Cesnik e as experiências de vida de Jean Wehner e Teresa Lancaster.

Esse é um assunto que não merece e que nem necessita de sensacionalismo. Os temas são abordados sem deixar de lado importância e a relevância que têm.

  • A qualidade das entrevistas

Eu trabalhei como jornalista por um tempinho e sei como é complicado entrevistar uma pessoa que não quer que aquelas informações sejam divulgadas.

Só de imaginar Jean Wehner falando sobre a série de abusos que sofreu nas mãos do Padre Maskell, já dá para entender o porquê as entrevistas desse documentário são tão boas. Acredito que, nesses momentos, a equipe nem fez perguntas e só deixou a Jean falar livremente em frente à câmera.

Em um dos episódios, acompanhamos a entrevista de Edgar Davidson, apontado como suspeito de matar a Irmã Cathy – ele está quase senil e as perguntas são respeitosas à condição dele, mas não deixam de pressioná-lo um pouco.

Em outro momento, o atual detetive responsável pelo caso é bombardeado com fatos e informações que Ryan White, o diretor do documentário, coletou com Abby e Gemma. Ele chega a fazer caras de espanto porque que boa parte das informações ainda está sob segredo de justiça.

É bem interessante observar a dinâmica dessas entrevistas e dessas conversas.

Uma das minhas maiores expectativas era ver o depoimento do próprio Padre Maskell, mas ele teve um derrame e morreu em 2001, depois de passar anos na Irlanda, fugindo dos desdobramentos do caso. O documentário dá um enfoque nisso e mostra que Maskell, apesar de ser relativamente novo (ele morreu aos 62 anos), já sofria de demência e não se lembrava dos acontecimentos do passo.

Até mesmo Gerry Koob, um ex-Padre que afirmou ter sido muito apaixonado por Cathy e que teve um papel central na noite do desparecimento de Cathy, é posto na parede em alguns momentos.

irmã cathy cesnik
The Keepers

Para aqueles que gostaram de “Spotlight – Segredos Revelados”, esse é um documentário que não só aprofunda a causa, mas que mostra que o trabalho de amadores também pode ser efetivo – de certa forma – nesses casos.

“The Keepers” não é um seriado que você deve ver só por ver. É um documentário que, imagino, pode levar alguns até a questionarem a própria fé.

Ao mesmo tempo, essa é uma experiência essencial. Nem que seja para impedir que coisas como essa sigam acontecendo no mundo, sem que ninguém se manifeste.

Beeijos, A Garota do Casaco Roxo

5 documentários legais para assistir na Netflix

Eu adoro assistir televisão antes de dormir e, agora que não tenho mais TV no quarto, tenho que recorrer a Netflix. Nem sempre tenho saco para assistir filmes, e seriados são um problema para mim: Quando eu gosto de um programa, eu assisto até o fim e fico semi-obcecada pela coisa toda. Tenho problemas de confiança causados por seriados que terminaram em cliff-hangers e que não voltaram nunca mais.

Me sobrou só uma alternativa: ver documentários. Eles são curtos, dinâmicos, sempre ensinam uma lição ou outra e – o melhor – eu não tenho que esperar por continuações.

Já vi documentários absurdos, que fizeram eu questionar “Meu Deus, o que foi que eu fiz com minha vida, não é possível que eu esteja vendo uma coisa dessas” e que vão render um post só deles aqui no blog. No geral, dá para dizer que minha experiência com esses programas foi bem interessante. Os nomes estão em inglês para facilitar na busca, mas estão todos disponíveis em português.

1. Being Elmo – A Pupeteer´s Journey

elmo

Eu chorei horrores com esse documentário porque sou uma manteiga derretida sem critério. Em “Being Elmo”, a gente acompanha a história de Kevin Clash, o homem que controla o fantoche do Elmo, da Vila Sésamo.

Durante sua infância, Clash ficou obcecado pelos programas de TV com fantoches que eram controlados por Jim Henson, o criador do Kermit (ele é mais conhecido por nós como “Caco”). Com o tempo, ele passou a fazer seus próprios fantoches e a produzir shows em cidades pequenas e em hospitais. Até que ele cresceu, cresceu, cresceu e conseguiu fazer parte do seu programa favorito na infância. E é essa a trajetória que acompanhamos no documentário, narrado por Whoopi Goldberg.

giphy1

Quando nenhum dos “fantochistas” da Vila Sésamo conseguia entender o uso de um boneco vermelho de nariz laranja, Clash decidiu, inspirado por seus pais, que transformaria Elmo em um símbolo do amor. Deu tão certo que o Elmo é conhecido mundialmente e que crianças que estão morrendo pedem para conhecê-lo. Nem é preciso dizer que em um desses encontros, registrado no documentário, eu chorei horrores.

Clash é extremamente talentoso e a gente vê ele ensinando outros artistas a trabalharem com fantoches e até levando crianças para conhecer os estúdios da Vila Sésamo, como fizeram com ele quando ele era pequeno. É um documentário que vai aquecer seu coração e que vai fazer você se encantar novamente pelo mundo dos fantoches.

2. Cosmos – A Spacetime Odyssey

NDRCosmos

“Cosmos” é a continuação de uma série produzida nos anos 80, apresentada pelo cientista Carl Sagan. O programa é comandado nesta edição pelo, também cientista, Neil DeGrasse Tyson, que tinha Sagan como o mentor. A história do encontro dos dois é contada em um dos episódios da série/documentário e é realmente inspiradora, em relação a velha máxima de tratar bem os outros porque a gente nunca sabe o que pode acontecer.

Os 13 episódios acompanham Neil na nave do conhecimento, através de galáxias, estrelas e pelas atmosferas dos planetas do Sistema Solar. Até os dinossauros e as espécies no “hall das extinções” são vistadas por aqueles que entram na viagem. O programa é visualmente muito bonito e ajuda a ilustrar melhor alguns daqueles conhecimentos da escola, além de atrair a atenção de quem quer aprender com mais eficiência. É bem difícil ignorar ou olhar para o lado quando se vê um pulsar ou um buraco negro girando na tela.

giphy

Outra coisa legal é a forma como eles apresentam o “calendário cósmico”, que a gente vê nos livros de biologia. O diferencial é que Neil realmente dá uma escala compreensível à formação do universo. É impossível não ficar embasbacado ao ter uma noção exata das proporções de tempo.

Se você detesta ciência e acha tudo isso bem “méh” vai adorar a série, que foi feita para agradar até aqueles que não se importam com esse assunto. Tenho memória de peixinho dourado e esqueço tudo relacionado às exatas muito facilmente, mas vi Cosmos – todos os 13 episódios- duas vezes, de tão fascinante que é.

giphy3

O documentário tem trechos em desenho animado, para retratar o passado e a história das grandes descobertas da ciência.

3. Vu du Ciel

770f9ce8gw1eolojyu3x0j20r80i5wi7

“Vu du Ciel” é mais conhecido no Netflix como ‘Earth From Above”. Fiquei super feliz quando o descobri porque ele é narrado em francês e eu precisava praticar as minhas habilidades de escuta nessa língua.

Assim como “Cosmos”, “Vu du Ciel” é uma série de documentários. No Netflix, salvo engano, estão disponíveis 10. O programa é apresentado por  Yann Arthur-Bertrand, que passou anos tirando fotos aéreas maravilhosas da Terra.

Rodando por diversos países, os programas apresentam vistas incríveis do nosso Planeta, além de apontar ameaças como a poluição, o aquecimento global, a pesca e a caça fora de época à espécies ameaçadas de extinção e o uso de combustíveis fósseis. Os vídeos são verdadeiras aulas de ambientalismo, porque ele explica, narra e mostra realmente aquilo que pode ser destruído se a gente continuar consumindo do jeito que consome hoje em dia.

EXPO_TVDC_057_l
Uma das fotos mais icônicas de Bertrand, que apresenta o Vu du Ciel. No documentário ele retorna a esse mesmo lugar e, infelizmente, o que ele encontra é um grande sinal da destruição do nosso planeta.

O documentário foi filmado em partes do Brasil que eu nunca tinha ouvido falar e não tinha noção de que existiam em meu país. Outro ponto interessante é que ele foi feito utilizando créditos de carbono – tudo aquilo que eles gastaram e  emitiram de gás carbônico na atmosfera foi compensado de alguma forma.

Não pude encontrar o trailer para essa série, mas a TED Talk de Yann Arthur-Bertrand ajuda a ter uma ideia do que você encontrará no documentário.

4. Trophy Kids

Ca6Q9F4UkAEdFJp

Em época de Olimpíada eu não consigo deixar de pensar no esforço e no trabalho dos atletas para chegar onde chegaram. Em “Trophy Kids”, os bastidores desse empenho são mostrados através do ponto de vista dos pais.

Ambientado nos EUA, o documentário me deu arrepios porque mostra como certos pais moldam as crianças para vencer, vencer e vencer. A derrota não é aceita por eles, que não tem um bom espírito competitivo. É triste de ver e chega a ser enervante.

Me revoltou muito ver um pai brigar com uma menina de 9 anos porque ela queria empurrar seu próprio carrinho de golfe ao invés de competir. Ou ver um pai brigando feio com o filho porque ele está namorando e não se concentra no futebol.

trophy-kids-netflix

O interessante deste documentário é que mostrou um outro lado daqueles que querem chegar no topo do pódio, além de me oferecer novas perspectivas do relacionamento pai-e-filho, algo que sempre foi do meu interesse.

Esse deve ser visto só quando se tiver estômago.

5. Beltrachi – The Art of Forgery

beltracchi_the_art_of_forgery-2

Eu acho que esse documentário saiu do catálogo brasileiro do Netflix, porque já faz um tempo que ele não aparece para mim. Mesmo assim, é um documentário que merece ser visto.

O alemão Wolfgang Beltrachi é um artista maravilhoso. Ele sabe como ninguém fazer pinturas que pareçam realistas e que te deixam de queixo caído. Mas ele também é um artista em falsificar quadros e em vendê-los por milhões, como se fossem de Picasso, Monet, Manet, Dalí e de qualquer outro pintor renomado.

O documentário mostra como ele realizava as falsificações e até o processo de busca por quadros em que ele pudesse pintar por cima, além de como ele falsificava assinaturas e de como tentava inserir as obras em determinada fase de um artista. Mais além, o filme também mostra sua queda: os anos  que passou preso, a liberação da cadeia e a mansão enorme que ele teve que vender para reembolsar as pessoas que prejudicou. Sua esposa também é uma das personagens principais do filme. Ela também foi presa por trabalhar como sua assistente nas falsificações.

cvcxcvxzczvcxvxzc

Beltrachi nunca pediu desculpas por suas falsificações, você acaba criando uma grande empatia por ele e o documentário vai fazer você refletir – e muito!- sobre o real valor da arte.

Já vi muito outros documentários interessante, mas esses foram os que mais me marcaram até o momento. Outras séries que não são exatamente documentários, mas que pendem para um lado mais educacional, como “Caçadores de Mitos” e “Truques da Mente” também estão na minha watchlist, já assisti todos episódios disponíveis e mal posso esperar para que a Netflix libere mais alguns. Super recomendo elas para quem está no mundo para aprender cada dia mais.

Beeijos, A Garota do Casaco Roxo